Parapente, no monte Rorota

Você já deve ter percebido esses mobiles coloridos levitando sobre o Rorota. Mas quem são essas pessoas que, no fim de semana aproveitam a praia suspensos a 300m do chão? Um voo em parapente começa no escritório. Cada piloto tem seus sinais. Se a mangueira do vizinho balança levemente ou se a bananeira da loja da frente se agita, é um sinal favorável... Então é preciso dar um pulo em casa para buscar a asa e mantimentos.  Para chegar ao ponto de decolagem, a gente emprega o caminho das praias. Ao volante, o parapentista presta mais atenção à copa das árvores do que à estrada, pois o caminho é cheio de indícios sobre as condições de voo. Por exemplo, passando em frente à casa de Francis, o presidente do clube de parapente Exo7, nós damos uma olhada na biruta que ele instalou no telhado da casa para obter a informação sobre o vento. Cerca de cem metros mais longe, as bandeiras do clube de vela plantadas na praia da APCAT nos fornecem a orientação do vento. Mas agora, nós já estamos quase chegando. A orientação do vento é o elemento determinante para fazer um bom voo. O ideal é que ele venha perpendicularmente à costa. O princípio é simples, os alísios se chocam contra o Rorota tomando uma trajetória vertical, e criam assim uma zona na qual os parapentes podem subir. O piloto permanece então, bem em frente ao relevo sem se afastar, virando o tempo todo para esquerda e para a direita. Se ele se afasta muito da montanha, as correntes de...

Nos lecteurs ont lu ensuite

Il vous reste 72% de l'article à lire.
La suite est réservée à nos abonnés.
Vous avez déjà un compte ou un abonnement ? Se connecter
Souhaitez-vous lire cet article gratuitement ?
Créer un compte

Vous préferez lire Boukan en illimité ?
Je m'abonne
Logo payement
X
Le téléchargement des PDF des numéros n'est pas inclus dans votre abonnement
Envie de télécharger ce numéro au format digital ?

L'intégralité des articles et les PDF pour 29€ par an
Je m'abonne
Logo payement