Loyola Uma trilha para a memória

« 
O mundo é nossa casa", teria declarado Jérôme Nadal, um dos primeiros parceiros do fundador da Companhia de Jesus, Ignace de Loyola (1491-1556). Fiéis a esse princípio, os missionários jesuítas acompanharam a expansão colonial europeia. Desde a metade do século XVI, eles estão presentes na Índia, Congo e China. Em março de 1549, a primeira missão jesuíta do Novo Mundo chega à Bahia. Em 1665, a Companhia das Índias ocidentais possibilitam que eles se estabeleçam na Guiana Francesa « para trabalhar na conversão dos selvagens ignorantes pelos mistérios da fé ». SÉCULOS XVII E XVIII - HISTÓRIA « Eu parti da cidade de Caiena para ir à Loyola, é o nome do local onde fica nossa habitação. (…) É nesse bairro de Rémire que ficam as maiores e mais belas usinas açucareiras e consequentemente o maior numero de Negros. » Padre J. de la Mousse, Caiena, 1687. Em 1668, a Companhia de Jesus se torna proprietária de uma casa grande próxima ao povoado de Rémire, a algumas léguas de Caiena. Em uma colônia então nascente, e sob os ataques dos Ingleses e Holandeses, os inícios da Casa batizada como Loyola são modestos. Entretanto, os jesuítas possuem capital e a fé como motivações: de seu sucesso econômico depende a sobrevivência das Missões em país indiano. Em algumas décadas, os jesuítas fariam de Loyola o maior estabelecimento da "Ilha de Caiena". Em 1740, em alguns mil hectares, a fazenda ...

Nos lecteurs ont lu ensuite

Il vous reste 81% de l'article à lire.
La suite est réservée à nos abonnés.
Vous avez déjà un compte ou un abonnement ? Se connecter
Souhaitez-vous lire cet article gratuitement ?
Créer un compte

Vous préferez lire Boukan en illimité ?
Je m'abonne
Logo payement
X
Le téléchargement des PDF des numéros n'est pas inclus dans votre abonnement
Envie de télécharger ce numéro au format digital ?

L'intégralité des articles et les PDF pour 29€ par an
Je m'abonne
Logo payement