O Maïpouri, um mamífero em vias de proteção

Você já imaginou o que seria a floresta amazônica se o tapir (anta) fosse totalmente erradicado? Como evoluiria essa imensa floresta tropical úmida na ausência desse amável herbívoro ainda desconhecido por uma boa parte do público? Mesmo se não é fácil encontrar um deles durante um passeio na floresta, esse calmo mamífero desenvolve um papel primordial na ecologia de nossas florestas. O JARDINEIRO DA FLORESTA Um estudo realizado na América Central, ajuda e melhor entender a importância dessa espécie na estruturação da floresta, excluindo-o totalmente da área de observação. Na verdade, nós sabemos que o tapir cumpre um papel importante no pisoteamento dos solos e também na disseminação de sementes de certas espécies. O procedimento implementado é simples: grades foram instaladas de tal maneira que somente o tapir, o maior mamífero terrestre da América do sul, não conseguia entrar no perímetro assim delimitado. As pesquisas demonstraram uma importante diminuição da quantidade de espécies vegetais na área fechada aos tapires. Sua estrutura também foi modificada pois a sub-vegetação não foi trabalhada pela passagem repetida e o pisoteamento exercido por esses animais. A dinâmica florestal sofreu conseqüências do desaparecimento de um elo essencial para o seu bom funcionamento, e a floresta estudada logo carregou os estigmas disso em seu próprio ajustamento. Como explicar que o desaparecimento dos tapires em nossas florestas...

Nos lecteurs ont lu ensuite

Il vous reste 88% de l'article à lire.
La suite est réservée à nos abonnés.
Vous avez déjà un compte ou un abonnement ? Se connecter
Souhaitez-vous lire cet article gratuitement ?
Créer un compte

Vous préferez lire Boukan en illimité ?
Je m'abonne
Logo payement
X
Le téléchargement des PDF des numéros n'est pas inclus dans votre abonnement
Envie de télécharger ce numéro au format digital ?

L'intégralité des articles et les PDF pour 29€ par an
Je m'abonne
Logo payement