O futuro da energia renovável para a Guiana Francesa

No começo, não será mais o petróleo 
Na nossa luta contra a mudança climática, o desejo de não mais emitir CO2 alimentou o desenvolvimento e a pesquisa de energias renováveis. De uma maneira implícita, a questão predominante é a da rarefação do petróleo. Na verdade, cada poço de petróleo vê, na primeira metade de sua vida, sua produção cresce, e depois com a escassez da reserva, ela passa por um pico e decresce. Inúmeras pequenas reservas que participavam da produção mundial se esgotam e fecham desde há uma dezena de anos. E as novas produções, menos numerosas sofrem para responder ao crescimento da demanda. Desde 1980, nós consumimos mais petróleo do que descobrimos, utilizando o estoque descoberto pela geração precedente. O que sobrará para a geração futura sabendo que a natureza leva 100 milhões de anos para fabricar petróleo? Enquanto a demanda continua a crescer, a oferta mundial de hidrocarboneto vai começar a diminuir. Quando esse pico será atingido? Entre 2010 a 2020 segundo os geólogos (www.peakoil.net). Se não fizermos nada para reduzir nosso consumo, é a lei da oferta e da procura que será aplicada, causando aumentos vertiginosos dos preços do petróleo, e com isso, outras matérias primas e mercadorias. A crise de 2008 não teria sido a consumação desse fato? Os primeiros a sofrerem serão os mais pobres e os países em desenvolvimento. A produção de gás de efeito estufa é intimamente ligada à combustão de energias fósseis ...

Nos lecteurs ont lu ensuite

Il vous reste 86% de l'article à lire.
La suite est réservée à nos abonnés.
Vous avez déjà un compte ou un abonnement ? Se connecter
Souhaitez-vous lire cet article gratuitement ?
Créer un compte

Vous préferez lire Boukan en illimité ?
Je m'abonne
Logo payement
X
Le téléchargement des PDF des numéros n'est pas inclus dans votre abonnement
Envie de télécharger ce numéro au format digital ?

L'intégralité des articles et les PDF pour 29€ par an
Je m'abonne
Logo payement